Fidel Castro: Ditador tirano ou herói socialista?

Para alguns, arquétipo do herói, como Alexandre da Macedônia. Para outros, do tirano implacável, como Sadam Hussein. 

O fato é que ninguém exerce poder político por 49 anos sem ser uma figura arquetípica. Advogado, no início protagonizou episódios ante os quais a esquerda mundial se encantou e encheu-se de esperanças. Encarado como o promotor do socialismo mundial, preconizado por Marx - "proletários do mundo inteiro, uni-vos". Os adversários recolheram-se em Miami. 

Em verdade, arquétipo do homem carismático e paradoxal. Sob a corrupta ditadura de Baptista, a ilha vista dos Estados Unidos tornou-se um cassino. Sem lideranças e instituições fortes, caiu como um castelo de cartas. Os guerrilheiros de Sierra Maestra, sem embargo dos combates e de sacrificados na luta pela democracia, foram os únicos que, em todo o mundo, conquistaram seus objetivos. Uma sociedade e um governo, voltados a um hedonismo barato e irresponsável, caíram nas mãos do “Robin Hood do Caribe” da década de 1950. 

O carisma desde logo se evidenciou, por meio das comemorações da vitória. Entretanto, esta não parece ter sido suficiente para firmar o fato no inconsciente coletivo. Seus adeptos, ao invés do apoio incandescente e esperançoso, podem cair na letargia do mesmo. E se completou pela fluidez da linguagem. Poucos políticos souberam usar da expressão verbal como Fidel. Seus discursos eram de horas ante um povo extático. No ponto se forjaram as primeiras virtudes de mais de quatro décadas de poder efetivo e inquestionado. 

Sentiu, contudo, sua inevitável fraqueza, ante o gigante do norte. Assim, à propositura inicial de uma democracia ética e iluminista sobreveio a guinada de 180 graus, ao aderir à poderosa ditadura stalinista, fundada em burocracia sólida, genocídios e nacionalismo, este antípoda dos sonhos universais de Castro e da esquerda. Inúmeros apoiadores importantes do movimento democrático de Fidel o abandonaram. E o esperado apoio da União Soviética à revolução universal foi uma decepção.  Embora tenha propiciado fundamentos básicos à mantença econômica de Cuba, o empenho soviético não passou daí. Tinham de consolidar seu próprio terreno, consequente à segunda guerra mundial. 

Certamente o bloqueio econômico gerou a miséria de Cuba. Entretanto, não se pode esperar de uma grande nação capitalista, gerida pelos respectivos interesses, outra conduta; quando o histórico presidente Barack Obama logrou engendrar um diálogo com Raul Castro, o venerando líder não deixou de manifestar sua crônica oposição. O enterro dessa tentativa evolucionista ficará consumado como uma das deletérias consequências da vitória de Donald Trump. 

Ernesto Guevara teve precisa conta da direção dos ventos e rompeu com a subserviência a outro patronato. Seus ideais do socialismo universal eram mais fortes. Demitiu-se do mais importante cargo governamental de Cuba para morrer indefeso na Bolívia. 

A guinada de Castro inspirou a ideia demagógica de que se veria empreender lutas sob o mantra da democracia liberal, pregada ostensivamente, somente como um meio, um caminho para atingir-se a figura da "ditadura do proletariado", necessário, no pensamento marxista-leninista, para a instauração do socialismo.  O imaginário utópico do século XX e ainda pendente em veneráveis cabeças do século XXI. Essa elucubração imagística somente seria descartada de parte do pensamento esquerdista em meados da década de 1980 pelo Partido Comunista Italiano e seu líder Enrico Berlinguer, que firmou como propósito de sua "praxis" a "democracia como fim universal", o que gerou efeitos, inclusive, no Partido Comunista Brasileiro, com sua cisão entre dois grupos básicos: os seguidores do "Velho", combatente Luís Carlos Prestes, dissidência, e os que remanesceram no partido sob a direção de alguém desprovido de "vis attractiva", tal qual Raul Castro, Giocondo Dias. 

Dissolvida a guerra fria, a agora Rússia logo retirou o amparo crônico à Ilha, o que gerou reações furibundas e inúteis de Fidel. A miséria tornou-se extrema, somente administrada por heranças do período ancorado, especialmente por meio da educação universalizada e, do mesmo modo, dos serviços de saúde. No ponto, são necessárias observações imperiosas. A educação do estilo soviético sempre foi marcada pela unilateralidade de objetivos políticos. O pensamento aberto, criativo e crítico, fundamento da filosofia e de todas as ciências, exatas e humanas, foi soterrado.  Restou a miopia e a pobreza do "conhecimento" único de seus próprios espelhos. A visão enciclopédica, responsável e cautelosa das ciências e das artes, ao expor seus resultados, foi simplesmente abandonada. Um físico comprometido com o partido não precisaria de muitos testes para anunciar suas investigações. Do mesmo modo, os literatos e filósofos, a exemplo de Vladimir Mayakovskiy, Alexandre Soljenitsin e Boris Pasternak. Tanto a saúde como a educação cubana foram promovidas à luz de valores quantitativos e não qualitativos e críticos, o mesmo que, há pouco, se adotou no Brasil. 

Ao finalizar, o pior de tudo: não há boas ditaduras. Os "paredóns" e os presos políticos e os exilados foram denúncias jamais contestadas pela ditadura castrista. Verdades incontestáveis. 

Esse menosprezo à vida, que, quando se vai, é como uma ilha que se desprende de seu promontório, são considerados nefandos crimes de lesa humanidade. Para alguns saudosistas, o preceito é relativizado quando essas ignomínias visam à "salvação social de toda a humanidade". Ao leitor cabe valorar esse relativismo. 

Talvez ninguém, neste século, nesta vida que se desenvolve sob condições absolutamente distintas dos meados do século passado, e nos futuros, verá mais um homem como Fidel Castro, carismático, resistente, dono da linguagem, e, ao mesmo tempo, equivocado, intransparente e ditador. Como todos os tiranos, inominável. 

 

Amadeu Roberto Garrido de Paula, advogado e membro da Academia Latino-Americana de Ciências Humanas.

Av. Santo Antônio, 806 - Ponto Central - Feira de Santana/BA
contato@verboestudantil.com.br | (75) 3612-6500